A Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) nasceu a partir do compromisso firmado entre a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Estado da Bahia, formalizado em 24 de março de 1998, com o objetivo de “estabelecer um Centro Internacional de Inovação e Intercâmbio em Administração Pública, na cidade de Salvador, capital da Bahia”.

Em 28 de maio do mesmo ano, a Assembleia Legislativa da Bahia autorizou o Poder Executivo a instituir a organização, sob a forma de fundação privada e, em 12 de julho de 1998, foi promulgada a Lei nº 7.349 que criou a instituição. Já em março de 1999, a fundação foi constituída com o registro de seu estatuto e a formação do Conselho Curador, composto por representantes da ONU, dos governos da Bahia e Federal, da sociedade civil e de universidades, que aprovaram o seu regimento interno.

Após três anos de negociação, a criação do Centro Internacional de Inovação e Intercâmbio em Administração Pública na estrutura organizacional da FLEM, em 27 de julho de 2001, foi considerada um marco na trajetória da Fundação, por possibilitar a celebração de convênios com a ONU.

Conad – Em 2004, o Ministério Público Estadual chancelou a primeira reformulação do estatuto da Fundação, embasada na Lei nº 8.726, de 20 de agosto de 2003, reforçando as características da Fundação enquanto entidade de direito privado, sem fins lucrativos e de utilidade pública. No mesmo ano, foi instituído o Conselho de Administração (Conad) e o Conselho Fiscal (Cofis) da FLEM.

Atuação relevante – Ao longo da sua trajetória, a Fundação vem se destacando na execução de programas e projetos com impacto social relevante. Os números da instituição atestam a importância da Fundação que já executou mais de 215 projetos, certificou quatro mil profissionais na área da Educação, capacitou 35 mil jovens para o mercado de trabalho, assistiu 30 mil e 500 produtores rurais e pescadores e alcançou 1 milhão de pessoas em eventos científicos, capacitações e treinamentos.

Destaca-se também o pioneirismo da instituição no Brasil na concepção e implantação de sistema de certificação ocupacional em parceira com a American Insitute for Research (AIR), a realização do “Fórum de Reflexão: A FLEM Construindo o Futuro” e a atuação na capacitação de pessoas, no desenvolvimento de sistemas e metodologias para modernização de serviços públicos e na gestão de projetos nas áreas de educação, saúde e assistência social.

A execução de projetos de assistência técnica rural, financiados pelo Banco Mundial (BM) e Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) também se destaca na história da Fundação, pois a credenciaram como instituição especializada no atendimento aos regramentos destes dois organismos internacionais. Hoje, a FLEM atua na viabilização de Projetos de Desenvolvimento Rural Sustentável, financiados pelo BM e FIDA, respectivamente.

Emprego e juventude – A FLEM também alcançou reconhecimento nas áreas de educação e capacitação de jovens para o mercado de trabalho. Mais de 35 mil jovens passaram pela Fundação em programas e projetos que, além de instruí-los sobre as questões técnicas que envolvem o mundo do trabalho, sempre considerou no escopo dos seus projetos capacitação cidadã e orientação psicopedagógica.

Atualmente, a FLEM atua na execução do Programa Primeiro Emprego do Governo do Estado da Bahia, ofertado para 4500 beneficiários, dados de junho de 2019. Junto ao Ministério Público do Estado da Bahia, Superintendência Regional do Trabalho e Emprego – BA e Associação Obras Sociais Irmã Dulce, viabiliza os projetos Artemente, Flem Social e Dulce Aprendiz, iniciativas que visam à aprendizagem profissional e atendem de 80 jovens.

Futuro – A última alteração no estatuto e regimento interno da FLEM ocorreu em fevereiro de 2019, adequando à instituição a um novo modelo de estrutura organizacional, mais enxuto e com os níveis de atuação melhor delineados. O objetivo é tornar a Fundação uma organização mais flexível administrativamente, moderna e eficiente. “A FLEM vem construindo um legado de excelência ao longo dos seus 21 anos. Nesse momento atual da sua história, estamos trabalhando para garantir que a Fundação alcance cada vez mais longevidade, e para isso temos investido em tecnologia e melhoria dos fluxos e processos internos. Para mim, em particular, é uma honra fazer parte dessa construção”, afirmou o presidente da FLEM, Francisco Américo Neves. “Precisamos seguir com o trabalho de excelência desenvolvido até aqui, garantindo que a FLEM cresça, evolua e, quem sabe, seja eterna”, desejou o presidente do Conad, Carlos de Palma Mello – chefe da Casa Civil do Estado da Bahia, na última reunião do conselho, realizada em maio deste ano.

Ascom

Técnicos que há dois anos foram admitidos pelo Programa Primeiro Emprego, do Governo do Estado, participaram do Encontro de Encerramento de Contrato, na última terça-feira (9), no auditório da Fundação Luís Eduardo Magalhães, em Amaralina.

Cerca de 60 beneficiários, que estão em processo de desligamento, puderam contar suas experiências, aprendizagens e contribuições durante o período em que trabalharam nos órgãos para onde foram direcionados. A maioria dos beneficiários aproveitou a oportunidade para investir em aprendizado e melhoria de vida.

A técnica Lizandra Silva, 21 anos, bacharel em Direito, colaboradora no Colégio Quinze de Novembro, no bairro São Cristovão, em Salvador, com o dinheiro que recebeu, conseguiu construir uma casa. “Eu juntei um ano de salário e fiz minha casa em cima da casa de minha mãe. Queria independência e espaço para estudar. Agora, com o dinheiro da rescisão, quero comprar meus móveis”, afirmou Lizandra.

Lizandra Silva, 21 anos

A experiência adquirida nos dois anos de contrato também foi importante para Andressa Maciel, 20 anos, técnica em logística, que trabalhou na zona rural de Simões Filho, no Colégio Estadual Luís Viana Filho. Mesmo com a dificuldade na locomoção para chegar ao trabalho, ela afirmou que aprendeu muito e que vai sentir falta dos colegas de trabalho. “Aprendi muito e já sinto saudades. O pessoal lá disse que está triste porque eu estou saindo. Eles esperam que o pessoal do primeiro emprego mande uma pessoa que nem eu”. Com o salário que recebia, Andressa também investiu na sua capacitação. Concluiu o curso de inglês, um dos seis idiomas que pretende aprender.

Andressa Maciel, 20 anos

Para Andressa, a assistência da Flem foi o apoio principal para o seu ingresso no mercado de trabalho. “Foram dois anos aprendendo com a Flem e eu só tenho coisas boas pra falar porque até então em tudo que precisei sempre me ajudaram; eu acho que essa foi uma oportunidade incrível, porque já é difícil conseguir entrar no mercado de trabalho e ainda mais quando a gente não tem experiência, essa foi uma oportunidade maravilhosa”.

Beneficiários que se despediram do PPE, com equipe Flem.

O músico André Gustavo, 44 anos, já trabalhou em outras empresas, inclusive por 10 anos com a cantora Nara Costa, conhecida na Bahia como idealizadora do arrocha, mas com a carteira assinada foi a primeira vez. Técnico no Museu de Arte da Bahia (MAB), o guitarrista e violonista se encantou com o espaço e aproveitou para aprimorar seus conhecimentos com a arte. “Desde os 17 anos eu curto arte e trabalhar aqui me acrescentou muito, porque arte é prazer”, disse. Com o salário, André ajudou nas despesas de casa, no sustento das duas filhas (3 e 6 anos) e da esposa, que está desempregada.

André Gustavo, 44 anos

Desde 2016, o Programa Primeiro Emprego, por meio da Fundação Luís Eduardo Magalhães, já contratou 4.197 jovens. Por terem completado dois anos, 1.012 técnicos já foram desligados.

Ascom

A Fundação Luís Eduardo Magalhães realizou nos dias 26 e 27 de junho uma ação de contratação para o programa Primeiro Emprego do governo da Bahia. O evento aconteceu simultaneamente em Salvador e nos oito escritórios regionais distribuídos pelo interior do estado.

A ação promovida pela FLEM contratou cerca de 250 egressos, dos anos de 2017 e 2018, da rede estadual de ensino, que atenderam às condições para participar do Programa Primeiro Emprego (conclusão de curso e de estágio). Destes, 77 foram atendidos no auditório da Fundação em Salvador.

Os beneficiários contratados terão a Carteira de Trabalho assinada, com todos os direitos garantidos. O contrato tem duração de dois anos e a remuneração nos órgãos estaduais é de um salário mínimo, além de plano de saúde (PLANSERV), vale transporte e ticket de alimentação. Os técnicos irão preencher vagas oferecidas pelo governo da Bahia nas diversas secretarias e órgãos da administração estadual.

De acordo com o governo do Estado, até 2018 mais de nove mil jovens já foram inseridos no mercado de trabalho em 155 municípios alcançados, dos quais, a Fundação Luís Eduardo Magalhães já destinou mais de 4.200 técnicos para órgãos do setor público estadual, nos 27 territórios de identidade da Bahia.

A Assessoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente realizou, na terça-feira (28/05), capacitação dos trabalhadores da FLEM que executam trabalhos em altura, com o objetivo de prevenir acidentes no trabalho, capacitá-los para analisar riscos e quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Os funcionários também foram treinados para agir em situações de emergência.

O treinamento foi elaborado com base na Norma 35 do Ministério do Trabalho e Emprego, que define, além dos procedimentos a serem adotados pelo colaborador que irá executar serviços em altura, as responsabilidades da empresa. Segundo a NR 35, cabe ao empregador, dentre outras obrigações, garantir aos trabalhadores informações atualizadas sobre os riscos e as medidas de controle, garantir que qualquer trabalho em altura só se inicie depois de adotadas as medidas de proteção e assegurar a suspensão dos trabalhos em altura quando verificar situação ou condição de risco não prevista.

Aos colaboradores, cabe o cumprimento das exigências prevista na legislação sobre o trabalho em altura, assim como colaborar com a empresa na implantação das disposições previstas na NR, interromper suas atividades sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas.

Para comemorar a Literatura Infantil, lembrada duas vezes no mês de abril, nos dias 2 e 18, Dia Internacional da Literatura Infantil e o Dia Nacional do Livro Infantil, a Base Comunitária de Segurança do Nordeste/Vale das Pedrinhas – bairro onde a Fundação Luís Eduardo Magalhães está inserida – realizará o ‘Mês da Literatura Infantil’ na sexta-feira (26 de abril), às 10h, na BCS Nordeste/Vale, no Beco da Cultura, s/nº, no bairro Nordeste.

Na ocasião, acontecerá a distribuição gratuita de um Kit-leitura contendo um livro infanto-juvenil, duas revistinhas, um folheto com dicas de leitura e um marcador de páginas.

A comunidade está convidada para apoiar e reforçar esta ação, doando qualquer um dos materiais descritos acima, que compõem o kit-leitura.

Mais informações na BCS Nordeste/Vale ou pelo e-mail: bcsnordeste@gmail.com

Orientadores que atuam como Pontos focais do Programa Primeiro Emprego (PPE) se reuniram na tarde desta quarta-feira (27), no auditório da Casa Civil, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), para participar do 1º Seminário Ponto Focal Estaduais, que teve como pauta principal a melhoria das ações que contemplam o programa de ação social de combate ao desemprego dos jovens, promovido pelo Governo do Estado, para inserir egressos e estudantes da educação profissional no mercado de trabalho.

O fortalecimento da comunicação e promoção do diálogo entre a coordenação do Programa e os pontos focais foi debatido com o objetivo de ampliar a compreensão, o alcance e a qualidade do PPE. A diretora de Apoio a Projetos Sociais da Flem, Rosemarie Freitas, enalteceu o seminário como um meio de aproximação com os pontos focais. “A qualidade dessa relação é necessária quando a gente lembra que os pontos focais são, antes de tudo, orientadores dos beneficiários”. Rosemarie salientou também que a troca com esses atores do Programa permite que seja feita uma avaliação dos resultados do trabalho, por meio da visão de quem está na ponta, lidando diretamente com os jovens.

Foto: Ascom/Flem

Atualmente, a Flem acompanha 3.443 beneficiários do Programa Primeiro Emprego que estão trabalhando em órgãos na capital e no interior do estado. Desde o seu lançamento, mais de cinco mil beneficiários já foram contratados pela Fundação para integrar o Programa, que em novembro de 2019 completa três anos de lançamento.

Além de representantes da Flem e pontos focais, também estiveram no Seminário o coordenador do Programa, Almerico Biondi, representantes da Secretaria de Segurança Pública, Vice Governadoria, Fundação Pedro Calmon, Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) e da Secretaria da Administração do Governo (Saeb).

Na tarde desta quarta-feira (16), jovens aprendizes do Projeto FLEM Social – Nossa Travessia participaram de palestra que abordou a Vulnerabilidade Social e a Inclusão dos Jovens no Mercado de Trabalho. O evento aconteceu no auditório da Fundação e teve o psicólogo Sidney Reis como palestrante.

Conduzida de forma leve e descontraída, por diversas vezes os jovens foram estimulados a participarem. “Tirar o chapéu para nós mesmos é algo que a gente dificilmente pensa, devido à correria do dia a dia, e essa dinâmica me fez perceber que é preciso se auto reconhecer”, afirmou Vitória Ribeiro, jovem aprendiz, referindo-se a uma das dinâmicas apresentadas pelo psicólogo.

Sidney teve poliomielite aos dois meses de idade e usou exemplos próprios da sua vida, na condição de cadeirante, para abordar questões como os desafios da primeira oportunidade de trabalho e suas conquistas. Além de psicólogo, Sidney é analista de sistemas e trabalha desenvolvendo projetos na Superintendência dos Direitos da Pessoa com Deficiência – SJDHDS (Secretaria da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social), como o Passe Livre, por exemplo. “As dinâmicas me ajudam a identificar como devo conduzir a palestra, por isso faço com que eles falem e de acordo com isso eu vou trabalhando o que eles precisam, pois é mais interessante quando as questões aparecem”, explicou.

Este evento fez parte das atividades do projeto FLEM Social que assiste 31 meninos e meninas das comunidades do Bairro da Paz, Nordeste de Amaralina, Santa Cruz e Calabar, e tem como objetivo realizar ações voltadas a jovens em situação de vulnerabilidade social, com foco na aprendizagem e inserção no mundo do trabalho.

Para melhorar a comunicação da FLEM com seus públicos alvo, a atuação do Call Center foi ampliada para atendimento a todas as áreas da empresa, passando a funcionar como uma Central de Relacionamento.

O Call Center atendia somente às demandas do Programa Primeiro Emprego e o objetivo atual é dar maior suporte a todas as diretorias no atendimento aos clientes, funcionários alocados fora da sede em Salvador, dar agilidade aos processos internos e desenvolver um relacionamento mais próximo com todos que procuram a Fundação por algum motivo.

O Núcleo de Tecnologia Organizacional (NTO) está desenvolvendo um sistema próprio para a Central, para que os atendentes possam acessar informações sobre os Programas e Projetos, o que possibilitará um atendimento mais eficaz às demandas recebidas, sobretudo na área de RH. O objetivo é que a Central funcione como um termômetro da relação da FLEM com o seu público externo, ganhando assim função estratégica na gestão da Fundação. Provisoriamente, a Central está ligada à Assessoria de Comunicação, que tem auxiliado a coordenação do serviço nessa transição.

Os telefones da Central são: 71 3103-7567/7587

Nos dias 19 e 20 de dezembro, aconteceu o último Encontro de Capacitação de 2018 dos colaboradores dos escritórios regionais da Fundação Luís Eduardo Magalhães – FLEM. O Encontro teve como objetivo o cumprimento das metas do Programa Primeiro Emprego, do Governo do Estado, para o próximo ano.

18 analistas técnicos que atendem ao Programa nos municípios de Feira de Santana, Juazeiro, Teixeira de Freitas, Irecê, Vitória da Conquista, Ilhéus, Jequié e Santo Antônio de Jesus, se reuniram na sede da Fundação em Amaralina.

Entre os assuntos abordados nos dois dias do Encontro estavam propostas de melhoria compreendendo atividades práticas no ambiente virtual de aprendizagem, noções sobre comunicação empresarial, administrativa e institucional, além de confecção de relatórios de solicitações e acompanhamento e prestações de contas de viagens para atividades externas.

Por estarem alocados fora da sede em Salvador, os funcionários também receberam – com a presença do presidente da FLEM Francisco Américo – treinamento prático do novo sistema de frequência registrado por meio eletrônico, que entrou em fase de teste desde o dia 12 de dezembro e passará a operar definitivamente a partir de 2 de janeiro de 2019.

Monitorados pelos analistas que participaram do encontro, cerca de 3.500 técnicos de diversas áreas, contratados pela FLEM, trabalham em órgãos estaduais espalhados pelos 27 territórios de identidade do estado da Bahia, em mais de 170 municípios.

ASCOM

A Fundação Luís Eduardo Magalhães divulga a relação final de candidatos aprovados pela FLEM e pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional – CAR, para o preenchimento das vagas disponibilizadas para o Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia.

A lista de candidatos, aprovados no edital 002/2018, pode ser acessada clicando aqui.

A lista de candidatos, aprovados no edital 003/2018, pode ser acessada clicando aqui.

Os candidatos aprovados devem se apresentar à FLEM para assinatura dos contratos no dia 3 de dezembro de 2018, portando os documentos descritos neste link.

Ascom