Na tarde desta quarta-feira (16), jovens aprendizes do Projeto FLEM Social – Nossa Travessia participaram de palestra que abordou a Vulnerabilidade Social e a Inclusão dos Jovens no Mercado de Trabalho. O evento aconteceu no auditório da Fundação e teve o psicólogo Sidney Reis como palestrante.

Conduzida de forma leve e descontraída, por diversas vezes os jovens foram estimulados a participarem. “Tirar o chapéu para nós mesmos é algo que a gente dificilmente pensa, devido à correria do dia a dia, e essa dinâmica me fez perceber que é preciso se auto reconhecer”, afirmou Vitória Ribeiro, jovem aprendiz, referindo-se a uma das dinâmicas apresentadas pelo psicólogo.

Sidney teve poliomielite aos dois meses de idade e usou exemplos próprios da sua vida, na condição de cadeirante, para abordar questões como os desafios da primeira oportunidade de trabalho e suas conquistas. Além de psicólogo, Sidney é analista de sistemas e trabalha desenvolvendo projetos na Superintendência dos Direitos da Pessoa com Deficiência – SJDHDS (Secretaria da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social), como o Passe Livre, por exemplo. “As dinâmicas me ajudam a identificar como devo conduzir a palestra, por isso faço com que eles falem e de acordo com isso eu vou trabalhando o que eles precisam, pois é mais interessante quando as questões aparecem”, explicou.

Este evento fez parte das atividades do projeto FLEM Social que assiste 31 meninos e meninas das comunidades do Bairro da Paz, Nordeste de Amaralina, Santa Cruz e Calabar, e tem como objetivo realizar ações voltadas a jovens em situação de vulnerabilidade social, com foco na aprendizagem e inserção no mundo do trabalho.

Para melhorar a comunicação da FLEM com seus públicos alvo, a atuação do Call Center foi ampliada para atendimento a todas as áreas da empresa, passando a funcionar como uma Central de Relacionamento.

O Call Center atendia somente às demandas do Programa Primeiro Emprego e o objetivo atual é dar maior suporte a todas as diretorias no atendimento aos clientes, funcionários alocados fora da sede em Salvador, dar agilidade aos processos internos e desenvolver um relacionamento mais próximo com todos que procuram a Fundação por algum motivo.

O Núcleo de Tecnologia Organizacional (NTO) está desenvolvendo um sistema próprio para a Central, para que os atendentes possam acessar informações sobre os Programas e Projetos, o que possibilitará um atendimento mais eficaz às demandas recebidas, sobretudo na área de RH. O objetivo é que a Central funcione como um termômetro da relação da FLEM com o seu público externo, ganhando assim função estratégica na gestão da Fundação. Provisoriamente, a Central está ligada à Assessoria de Comunicação, que tem auxiliado a coordenação do serviço nessa transição.

Os telefones da Central são: 71 3103-7567/7587

Nos dias 19 e 20 de dezembro, aconteceu o último Encontro de Capacitação de 2018 dos colaboradores dos escritórios regionais da Fundação Luís Eduardo Magalhães – FLEM. O Encontro teve como objetivo o cumprimento das metas do Programa Primeiro Emprego, do Governo do Estado, para o próximo ano.

18 analistas técnicos que atendem ao Programa nos municípios de Feira de Santana, Juazeiro, Teixeira de Freitas, Irecê, Vitória da Conquista, Ilhéus, Jequié e Santo Antônio de Jesus, se reuniram na sede da Fundação em Amaralina.

Entre os assuntos abordados nos dois dias do Encontro estavam propostas de melhoria compreendendo atividades práticas no ambiente virtual de aprendizagem, noções sobre comunicação empresarial, administrativa e institucional, além de confecção de relatórios de solicitações e acompanhamento e prestações de contas de viagens para atividades externas.

Por estarem alocados fora da sede em Salvador, os funcionários também receberam – com a presença do presidente da FLEM Francisco Américo – treinamento prático do novo sistema de frequência registrado por meio eletrônico, que entrou em fase de teste desde o dia 12 de dezembro e passará a operar definitivamente a partir de 2 de janeiro de 2019.

Monitorados pelos analistas que participaram do encontro, cerca de 3.500 técnicos de diversas áreas, contratados pela FLEM, trabalham em órgãos estaduais espalhados pelos 27 territórios de identidade do estado da Bahia, em mais de 170 municípios.

ASCOM

O sistema irá atender as exigências do E-social e entra em fase de teste no dia 12/12

Para atender as exigências do E-social e otimizar as rotinas da área de Recursos Humanos da Fundação Luís Eduardo Magalhães, o Núcleo de Tecnologia da Fundação desenvolveu um sistema para que a frequência dos funcionários, alocados fora da sede em Salvador, seja registrada por meio eletrônico.

O Sistema de Registro de Frequência (SRF) entra em fase de teste a partir do dia 12 de dezembro de 2018 e no dia 02/01/2019 passa a operar definitivamente. Para acessá-lo, o funcionário deve utilizar o mesmo usuário e senha para consulta ao contracheque e fazer o registro do ponto: entrada, saída e retorno do almoço e a saída no final do expediente. As informações da frequência só serão validadas mediante assinatura do superior imediato e poderão ser consultadas diariamente pelo RH.

 O registro eletrônico não substituirá a necessidade de envio da frequência fisicamente (impressa/assinada) para o RH da FLEM, até o 3º dia útil após fechamento do mês.

Características

  • Solução para registro de frequência aderente a legislação trabalhista vigente
  • Acesso por computador, celular ou tablet através do usuário e senha de cada funcionário (mesmas credenciais do Contracheque Online)
  • Registro e envio online da frequência/ponto dos funcionários pelo sistema, por meio de acesso à internet
  • Registro manual para os casos em que não há acesso à internet no local de trabalho (validado posteriormente)
  • Envio de atestado médico e da folha de frequência assinada através do próprio sistema
  • Validação das informações do sistema pelo supervisor/coordenador ou superior imediato que terá um perfil de usuário e senha.

Benefícios

  • Comprovante diário do registro da frequência enviado automaticamente para o e-mail cadastrado no ato da sua contratação
  • Mais agilidade no recebimento, tratamento, processamentos das informações de frequência pelo RH.
  • Redução de ocorrência de pagamentos ou descontos indevidos, atrasos ou falhas na folha de pagamento
  • Maior segurança e confiabilidade no registro dos dados e processamento das informações.
  • Otimização do processo de gestão da frequência dos funcionários externos
  • Redução de trabalho operacional da equipe de RH
  • Recebimento de atestado médico dentro do prazo adequado para análise, validação e providências
  • Centralização dos dados de frequência dos projetos externos em uma única ferramenta
  • Redução de erros de digitação e/ou apuração da frequência

Observação

  • O sistema possibilita o registro manual. Portanto, os funcionários que não dispõem de sinal de internet no local de trabalho, poderão realizar o registro diário normalmente e, ao final do mês:
    • Buscar local com acesso à internet para envio da frequência (escritório regional da FLEM, ponto focal, SETAF ou órgão parceiro). Antes, deve imprimir, assinar, colher a assinatura do seu superior imediato, fazer cópia e anexá-la ao sistema.
    • Enviar a original impressa ao RH da FLEM.

Durante a fase de teste, o sistema poderá apresentar falhas ou ficar inoperante por algum período, o que já é previsto nessa etapa inicial. Neste link  está o passo a passo de Utilização do Sistema de Registro de Frequência. Caso reste alguma dúvida, o usuário deve entrar em contato com Call Center nos telefones 71 3103-7567/7587.

A Fundação Luís Eduardo Magalhães divulga a relação final de candidatos aprovados pela FLEM e pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional – CAR, para o preenchimento das vagas disponibilizadas para o Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia.

A lista de candidatos, aprovados no edital 002/2018, pode ser acessada clicando aqui.

A lista de candidatos, aprovados no edital 003/2018, pode ser acessada clicando aqui.

Os candidatos aprovados devem se apresentar à FLEM para assinatura dos contratos no dia 3 de dezembro de 2018, portando os documentos descritos neste link.

Ascom

Como parte da etapa inicial do Programa Primeiro Emprego do Governo do Estado, aconteceu na manhã desta quinta-feira (29), mais um Seminário de Acolhimento para novos contratados, no auditório da Fundação Luís Eduardo Magalhães, em Amaralina. Mais 65 jovens passaram a integrar o quadro de funcionários da Fundação, e já estão trabalhando em órgãos públicos e privados de Salvador e Região Metropolitana.

No seminário, os técnicos foram apresentados ao Programa desde a idealização do governador Rui Costa aos benefícios gerais. Dúvidas envolvendo direitos e deveres foram sanadas pela equipe de treinamentos do Programa Primeiro Emprego executado pela FLEM. Na oportunidade, os jovens receberam o Guia do Beneficiário, que serve como manual do egresso.

De acordo com a contratada Leilane Silva, o Seminário é indispensável para entender o projeto. “Às vezes as pessoas ficam com receio de ligar para procurar saber alguma coisa e o seminário serve para esclarecer as dúvidas frente a frente, sem contar que a dúvida de um pode ser a duvida de outros”. Leilane tem 20 anos e está lotada na SECOM – Secretaria de Comunicação do Estado.

Em 2018, o programa Primeiro Emprego, através da Fundação Luís Eduardo Magalhães, presidida por Francisco Américo Neves, gerou oportunidades de trabalho para mais 1.482 jovens. Ao todo, são 3.459 técnicos trabalhando em 178 municípios, nos 27 territórios de identidade da Bahia.

Ascom

Ações de prevenção, de reabilitação terapêutica e recuperação das capacidades perdidas da visão serão discutidas no seminário gratuito Saúde e Visão, no próximo dia 19/11, das 8h às 18h, no auditório da Fundação Luís Eduardo Magalhães, em Salvador. O evento, promovido pela Faculdade Internacional de Evolução Profissional (FIEP), contará com a presença de dois reconhecidos especialistas na área, Ricardo Yamasaki que ministrará a palestra “A Neurovisão e terapias visuais” e Eduardo Moura, que falará sobre “A fascinante ciência da optometria e seus processos acomodativos”.

Yamasaki, que é também especialista em Prótese Ocular e Optometria, fará ao vivo uma demonstração de como são realizadas as terapias aplicadas por ele e mostrará os resultados do antes e depois em apenas 1 sessão. Além de palestrante internacional, o professor se destaca pelos resultados alcançados na recuperação e  reabilitação da visão, a partir da correlação entre a visão e o sistema neural do ser humano, por meio de tratamentos envolvendo terapias bioenergéticas, como a Pulsátil e Photon Íons.

Durante a atividade, será sorteada uma bolsa integral de estudos do curso superior de Tecnologia Oftálmica e uma escola pública de educação infantil, onde serão realizados exames de vista em todas as crianças e professores. A seleção da escola será feita pelas redes sociais da FIEP, Instagram – @fiep.ciep e pelo Facebook – Fiep.ciep.

Os participantes receberão certificados e podem se inscrever pelo site www.faculdadesfiep.com.br.

A Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) participou, nesta quinta-feira (8), em Ilhéus, do lançamento do Plano Operacional para o Cacau e Chocolate da Bahia 2018-2022. A iniciativa do Governo da Bahia e da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac/Mapa) deve alcançar em torno de 20 mil agricultores de 114 municípios dos territórios do Litoral Sul, Médio Rio de Contas e Baixo Sul.

Serão desenvolvidas ações estratégicas com o objetivo de elevar, em cinco anos,  a produção de cacau na Bahia para 240 mil toneladas/ano,  incluindo a instalação de 20 agroindústrias para a fabricação de chocolates finos, com certificado de origem no sul do estado. Além da  abertura de linha de crédito específica para a lavoura cacaueira, o Plano irá oferecer subsídios para produção de mudas e insumos, criação e indicação geográfica da produção do cacau, preservação da Mata Atlântica, prospecção de novos mercados, capacitação profissional, regularização fundiária e ambiental, difusão tecnológica, assistência técnica e extensão rural (ATER), capacitação, educação, gestão e empreendedorismo e infraestrutura rural. Os investimentos do Governo do Estado no plano devem atingir R$ 80 milhões.

O governador em exercício, João Leão, destacou que “a ampliação da produção de cacau e o polo chocolateiro são fundamentais para a economia regional, gerando milhares de empregos. Além do cacau, o Governo do Estado está investindo em obras como o Porto Sul e a Ferrovia Oeste Leste, em parceria com empresários chineses, além da construção da nova ponte Ilhéus-Pontal, já em fase de execução, e da duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna, um conjunto de ações que vão inserir o Sul da Bahia como um grande polo econômico”.

O secretário de Desenvolvimento Rural e presidente do Conselho de Administração da FLEM, Jerônimo Rodrigues, afirmou que, ao incentivar o aumento da produção, a diversificação e a agroindústria, o governo estadual alavanca a inclusão social de assentados, indígenas, quilombolas e agricultores familiares, com foco na sustentabilidade: “O resgate do cacau, que também passa por investimentos em tecnologia, infraestrutura, somado a obras de infraestrutura, permitirá a retomada do desenvolvimento regional”.

Secretário de Desenvolvimento Rural e presidente do CONAD, Jerônimo Rodrigues.

A FLEM, em conjunto com a Secretaria da Agricultura, irá elaborar projeto específico para compor o Plano. “Iremos elaborar um projeto para promover o fortalecimento da cadeia produtiva do cacau e chocolate a partir da abertura de mercado para o cacau fino, o chocolate de origem e o turismo rural. O objetivo é posicionar a região como referência mundial na produção de cacau e chocolate de alta qualidade”, explicou a diretora de Soluções Educacionais da FLEM, Glória Tellez.

Glória Tellez, diretora da FLEM e o superintendente regional da CEPLAC, Antonio Zugaib

Ao final do evento, foram  feitas visitas à fábrica de chocolate da CEPLAC e ao Centro de Inovação do Cacau. Glória Tellez participou ainda de reuniões com o superintendente regional da CEPLAC, com o coordenador do CIC, com os presidentes das associações Chocosul e Cacau Sul Bahia, e com o Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Ilhéus, com vistas a levantar as necessidades dos produtores a serem atendidas com o projeto.

PARCEIROS

Além da Ceplac e do Governo da Bahia, integram o plano o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Biofábrica, Universidade Estadual de Santa Cruz, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Universidade Federal do Sul e Bahia,  Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e Associação Nacional das Industrias Processadoras de Cacau (AIPC).

De acordo com o diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, esse “conjunto de ações fortalece a cadeia produtiva do cacau, mas também todo o entorno  das potencialidades que existem junto à cacauicultura. A riqueza da Mata Atlântica, do cacau dentro da Cabruca, dialoga também com a fruticultura, atividades produtivas da mandioca. Essa diversificação, que tem o cacau como centro, abre possibilidades também para dinamizar outras cadeias produtivas”.

O coordenador técnico-científico da Ceplac, Manfred Müller, destaca que a instituição está desenvolvendo projetos como a Rota do Cacau, ATER para 6.500 assentados baianos, pagamento de bônus pela conservação ambiental em 400 mil hectares de cacau, incluindo áreas de Mata Atlântica, e a renegociação das dívidas dos produtores rurais.

Fonte: ASCOM/FLEM e www. pimenta.blog. br

 

No pulsar da música, literatura, teatro, dança, jovens aprendizes, participantes do Programa Nossa Travessia, transformaram o auditório do Ministério Público Estadual (MPBA), em Salvador, na última terça-feira (30), em palco da diversidade, cultura, inclusão e da esperança. No palco, as dificuldades vividas nas comunidades onde moram ou como pacientes dos Centros de Atenção Psicossocial de Salvador deram lugar ao Sarau Ponto Diversos e as mais lindas expressões artísticas, enchendo de emoção a todos os presentes.

Seja na poesia de protesto de Verônica, na dor traduzida em verso de Isa, na performance das mestres de cerimônias Maiú e Cléo ou na voz surpreendente de Josi, o que se viu foi o sucesso de um projeto em que a missão principal é dizer à sociedade que é preciso olhar para essa juventude, que pede espaço, atenção e oportunidade. “O que temos aqui são jovens expressando seu modo de viver, uma arte que dialoga com a história e contexto de vida de cada um deles e eu quero parabenizar a cada um pela coragem em estar nesse palco”, disse Natureza França, representante da Ponto Diversos e educadora responsável pela organização do Sarau.

O Nossa Travessia é um projeto idealizado pela Pontos Diversos – Associação para Promoção da Diversidade Sociocultural e Ambiental, desenvolvido em parceria com a Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) e apoiado pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MPE) e Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE). O Programa, que comporta os projetos ArteMente e FLEM Social, tem como objetivo realizar ações voltadas a jovens em situação de vulnerabilidade social e portadores de distúrbios mentais, com foco na aprendizagem e inserção no mundo do trabalho.

“A perspectiva é de garantir o direito à aprendizagem de adolescentes que estão na rede de saúde mental, que merecem uma chance de mostrar que são tão capazes e são tão meninos e meninas como quaisquer outros”, afirmou o promotor de Justiça Carlos Martheo se referindo, especificamente, ao ArteMente. Os jovens já estão trabalhando na FLEM e nas empresas Porto Fino e Le Biscuit.

“Temos 71 aprendizes contratados pela FLEM e é uma satisfação grande para nós participar da transformação que o Nossa Travessia vem proporcionando na vida deles e de suas famílias, ainda mais em uma ação que une juventude, educação e trabalho, três áreas de atuação que estão no DNA da Fundação”, destacou Melyssa Neves, gerente da Diretoria de Apoio a Projetos Sociais (DIAPS) da FLEM.